terça-feira, 11 de dezembro de 2012

palestra sobre Agenda de Cooperação entre Brasil e Moçambique

por Daniele Barbosa (NL)

O Clube de Engenharia do Rio de Janeiro recebeu hoje a palestra: Os desafios da Agenda de Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável entre Brasil e Moçambique ministrado pelo Prof° Rodrigo Medeiros, Coordenador do curso de Mestrado Profissional em Práticas em Desenvolvimento Sustentável da UFRRJ.

Apesar do atraso devido ao excesso de veículos na via Dutra, algo nada sustentável segundo o palestrante, o mesmo iniciou o evento com a questão do desenvolvimento econômico e a sustentabilidade da cidade que compromete a mobilidade.

Após a recepção, o palestrante personalizou o ambiente de modo que os presentes obtivessem uma amostra do que a equipe passou em Moçambique: falta de energia elétrica em algumas localidades, para isso apagou as luzes, e desligou o ar condicionado para falar da temperatura a vivenciaram lá, de 52°C.


                                   Ambiente escuro e quente: compartilhando a vivência.

Comentou do histórico de colonização semelhante do Brasil e Moçambique e da cooperação entre os países. Falou do baixo índice de alfabetização em Português, mas que alguns são alfabetizados em casa na "língua-mãe". E destacou a necessidade de "desintoxicar da visão 'National Geographic' para observar as necessidades de desenvolvimento regional" de Moçambique.

Foram enumerados os Ativos de desenvolvimento como terra, recursos naturais e minerais e citou as empresas nacionais que explorarão o local: A Vale, com usina de carvão, e a Odebrecht, na construção de porto e aeroporto.

O Projeto Pró-Savana, iniciativa dos países Brasil, Japão e Moçambique foi destacado explicitado a  preocupação do Japão na origem da soja para importação, ou seja, em não comprar transgênicos e o convênio com a Embrapa, empresa brasileira, que auxiliará na transferência de tecnologias.

As culturas locais, tradições e problemas foram relatados pelo professor que acompanhou as mudanças nos últimos cinco anos em visitas à Moçambique e o questionamento quanto à exportação de modelos prontos e as adversidades que os mesmos possuem ao serem aplicados.

                            O mediador, o Professor Medeiros e os alunos de Moçambique.

Ao final do seminário, os representantes do Clube dos Engenheiros fizeram suas colocações quanto ao evento, que foram realizadas 10 palestras e da gratificação em receber o curso e compartilhar as experiências.
                                Representantes do Clube de Engenharia que receberam o Seminário.

Agradecemos a recepção da secretária do curso, muito prestativa, e a atenção do prof° Medeiros.

Abaixo, os dados do evento:



Artigos relacionados:

de Camila Nóbrega

http://oglobo.globo.com/economia/repleto-de-riquezas-naturais-mas-carente-de-infraestrutura-mocambique-tem-no-brasil-seu-maior-investidor-7005312

http://oglobo.globo.com/economia/brasil-desbanca-portugal-se-torna-maior-investidor-estrangeiro-em-mocambique-7005344

http://oglobo.globo.com/economia/falta-agua-assola-mocambique-7005283

http://oglobo.globo.com/economia/clima-abundancia-de-recursos-naturais-sao-tracos-comuns-7005408











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...